André Branquinho reage às críticas sobre a carreira do Operário nesta época (CA)

A carreira do Operário neste Campeonato de Portugal de futebol não tem sido famosa. Apenas uma vitória, 4 empates e 4 derrotas, com 9 golos marcados e 18 sofridos. Os 7 pontos colocam a equipa na 13.a posição na série “E” entre 16 clubes. Está em zona de descida e logo num ano em que baixam 6 equipas. Os sócios e os adeptos do Operário não estão habituados a este cenário. Ao longo das últimas 10 épocas, pelo menos, têm visto a equipa sempre bem classificada e sempre na luta pela subida de divisão.

Depois de Francisco Agatão, tem sido André Branquinho o responsável técnico pelos feitos. Estava o treinador na mó de cima. Agora é criticado, principalmente nas redes sociais, esta grande arma que é utilizada por muitos cidadãos para manifestarem a opinião e a ira. No contacto de antevisão sobre o importante jogo desta tarde com o Estrela de Vendas Novas, começamos por perguntar como André Branquinho tem lidado com as críticas, já que não têm sido habituais.

De uma forma muito tranquila e consciente porque a vida dos treinadores é feita pelos resultados alcançados. Os adeptos têm o direito a criticar e a opinar, mas pecam por defeito as que surgem dos que não são sócios do clube. Os adeptos que são sócios têm voto na matéria e temos de os ouvir quando estão insatisfeitos. Mas, por outro lado, precisamos que ajudem o clube. Toda a gente tem direito à opinião, agora é preciso sabermos filtrar porque há opinião boa e há opinião que nem vale a pena ler.

Para mim é muito simples. Ao longo da minha vida, até aos 27 anos de idade, morei ao lado de uma salsicharia e nunca opinei sobre a forma de fazer morcelas e chouriços porque não percebo nada daquilo. Quero com isso dizer que a maioria das opiniões dos adeptos é igual àquela que tinha sobre o trabalho do talhante em preparar os produtos na salsicharia.

Tudo isso faz parte do futebol. Os médicos, os advogados e as pessoas de outras categorias profissionais opinam sobre o futebol. Nós, os treinadores, não podemos opinar sobre advocacia, nem medicina ou turismo porque não somos licenciados na matéria.

Frente ao Estrela de Vendas Novas não pode o Operário desperdiçar a oportunidade de ganhar a uma equipa que só venceu uma vez e que tem menos 1 ponto?
É verdade. A nossa ambição passa por vencer a próxima partida. Sabemos que não estamos numa posição favorável, não é aquela que gostaríamos de estar.

Como treinador estou tranquilo. Sei muito bem para onde queremos ir, sei o caminho que estamos a atravessar, sei do processo para a equipa assimilar as minhas ideias e que os jogadores ainda não tin-giram aquilo que eu pretendo. Estamos a caminhar para melhorar e vamos continuar com a ambição de vencer o próximo jogo, numa forma tranquila e consciente de que estamos a fazer tudo para mudar o rumo dos acontecimentos.

O objectivo passa por vencer um adversário directo, procurando distanciarmo-nos somando pontos para subirmos alguns lugares na tabela classificativa. Acreditamos que no final da época iremos atingir os objectivos.

Está à procura de mais algum elemento para a equipa, principalmente para o setor defensivo, que tem sido muito alterado devido às lesões?
Os plantéis das equipas estão sempre abertos até Fevereiro, principalmente nesta divisão. Só para as equipas das provas profissionais é que fecharam, reabrindo durante o mês de Janeiro. Estamos sempre abertos e à procura de boas soluções a nível qualitativo e a nível financeiro para o clube, porque temos um orçamento muito rigoroso. Se surgir uma oportunidade muito bem. Como sempre digo, o plantel está sempre aberto para entradas e para saídas.

(Correio dos Açores)

Share