“Fabris” iniciam época em Água de Pau e com críticas às associações

Com apenas três dos nove reforços anunciados presentes no treino, o Operário deu o pontapé de saída para a temporada 2016/17. Weldon, Gonçalo Reyes e Hugo Viveiros marcaram presença no Campo Mestre José Leste, em Água de Pau, “casa emprestada” aos “fabris” devido às obras no “Borges Arruda”.

Presente no treino esteve Dani, completamente recuperado da lesão sofrida na época passada no jogo da Taça dePortugal com o Boavista, e também o médio Ruizinho. O ex-jogador do Santa Clara regressou a uma casa que bem conheço – foi da Lagoa que saiu para o Belenenses – e encontra-se a manter a forma enquanto não decide o seu futuro. Que até pode passar pelo Operário, um dossier que será resolvido até ao final desta semana, apurou o Açoriano Oriental.

Num plantel com muitas caras novas – mesmo ao nível da equipa técnica – André Branquinho assumiu que esta época será um teste a superação. “O grande objetivo será superarmos a nós próprios. Superarmos o que temos feito nas últimas temporadas, mesmo sabendo que sofremos muitas baixas. Isto também nos dá mais motivação pois fechou-se um ciclo e abriu-se outro. Vamos ter de sair da nossa zona de conforto e enfrentar um desafio novo”, afirmou o treinador.

Para contrariar as saídas, o Operário garantiu já nove reforços e espera conseguir mais quatro. OS que vieram são, segundo o técnico, “aqueles que nós queríamos, dentro das nossas limitações orçamentais”.

Com o início do Campeonato de Portugal marcado para dia 21 de agosto, ainda não são conhecidos as séries e onde vão ficar as equipas açorianas. Algo que para André Branquinho será um “salto no escuro. Já disse isso há dois anos e volto a repetir: os presidentes das associações não sabem o que é sofrer uma derrota ou celebrar uma vitória. Ou sentirmo-nos desamparados por não sabermos onde vamos competir. Devíamos ter muito mais proteção e atenção”.

In: AO

Share