Operário quer manter-se igual a si próprio sempre em busca dos seus objetivos

O Clube Operário Desportivo está a preparar a próxima época desportiva, sendo que os jogadores deverão regressar ao trabalho já no final deste mês de julho.

A equipa do Operário irá apresentar-se renovada, depois de várias saídas registadas no final da última época.

Com já foi noticiado, a equipa técnica já está construída, sendo já a primeira renovação face à época transata.

André Branquinho mantém-se como treinador principal do Operário, sendo auxiliado pelo adjunto Nelo, que terminou a sua carreira de jogador exatamente no Operário, assim como Hélder Neto (ex-Ideal) que será o treinador de guarda-redes.

Em declarações ao Jornal Diário da Lagoa, o técnico fabril reconhece que “o Nelo é uma pessoa muito organizada, uma pessoa que, apesar de não ter nascido e ter sido formado no Operário, defende o clube, sabe o sentimento que o clube suscita nas pessoas. Nelo é uma pessoa, que pode transmitir muito bem alguma mística que o Operário tem, e é uma pessoa que gosta também muito de aprender, é inteligente e quando tem uma tarefa a fazer, fá-la com dedicação toda e com capacidade”, admitindo que Nelo será com certeza uma mais-valia para a equipa técnica do Operário.

Quanto à entrada de Hélder Neto na equipa técnica, com a sua saída do Pedro Teixeira, era necessário um treinador de guarda-redes. Assim, segundo adiantou, “o Hélder Neto tinha saído do Ideal, e estava disponível no mercado. É uma pessoa de paixão e muito sentimento pelo que faz e decerto que irá fazer o seu trabalho da melhor maneira possível, adaptando-se ao Operário e ao modo de trabalhar neste clube”.

André Branquinho diz mesmo estar convencido que que será uma equipa técnica que terá muita paixão pelo seu trabalho, muita vontade, espirito, sacrifício e ambição de fazer o melhor em prol da grande instituição que é o Operário.

O jovem treinador, que foi adjunto de Francisco Agatão durante três anos, irá assim fazer a sua quarta época como treinador principal do Operário, tendo tido nestes últimos três anos Nelson Silva e Pedro Teixeira a seu lado.

Na hora de saída dos adjuntos, Branquinho aproveita para agradecer a prestação de todos eles. “O Nelson foi o meu braço direito durante esta aventura enquanto treinador principal do Operário, tendo sido uma parte importante do sucesso alcançado por esta equipa técnica, e o clube deverá estar grato pelo que ele fez pelo clube”.

Quanto a Pedro Teixeira que também saiu do Operário, por ter recebido uma proposta de uma liga superior, o técnico fabril diz que é sinal de que o trabalho feito na Lagoa é reconhecido.

Quanto à outra saída da equipa técnica, o preparador físico Tó Miguel sai por razões profissionais.

André Branquinho reconhece que quem agora sai, tudo fez no clube da Lagoa, assim como a lealdade que tiveram.

Quanto à nova época que se avizinha, o técnico fabril diz que esta está a ser preparada, onde se regista a saída de vários jogadores, o que diz ser o normal funcionamento de uma equipa.

“Perdemos o João Peixoto, o nosso capitão durante algum tempo, um jogador que ficará para sempre na história do clube, como um dos melhores que passou por esta instituição, dos que enveredaram esta camisola e a braçadeira de capitão”.

André Branquinho vê a saída de Peixoto como uma valorização do trabalho feito no clube da Lagoa, em que os jogadores que vestem a camisola fabril acabam por ser cobiçados por outros clubes”.

Segundo adianta ao nosso jornal, haverá uma renovação na equipa, mas fica a garantia e a confiança de que o Operário irá novamente atingir os seus objetivos na próxima época.

André Branquinho referiu ainda que “garanto aos adeptos e simpatizantes que o Operário será uma equipa competitiva, uma equipa a lutar sempre pela vitória, a olhar olhos nos olhos nos adversários, dentro das limitações orçamentais a equipa irá ser motivo de orgulho para os adeptos e terá a missão de honrar a camisola ao máximo das capacidades”.

Em declarações ao Jornal Diário da Lagoa, Branquinho recordou que, em relação à época transata, tirou muitas ilações e aprendeu muito. “ Foi uma época que me fez crescer mais como treinador, aprendi muito, o que se deve fazer e especialmente o que não se deve fazer”.

Segundo o jovem treinador, para atingir sucessos há que ser mais objetivos, mais fortes, mais organizados, mais comprometidos, mais exigentes, sendo que a época que findou, acabou por ser uma grande lição a este nível.

In: DL

Share